Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Setembro de 2018

ÁFRICA

ÁFRICA DE AMANHÃ - A grande aposta nas tecnologias de informação e comunicação

ANGOLA

Angola aposta em políticas públicas para maior inclusão digital

ANGOLA

Uma sucessão em dois actos

ESTADOS UNIDOS

Resistência na casa Branca contra Trump

ETIÓPIA

Etiópia: Abiy Ahmed, um primeiro-ministro chamado «revolução»

ÁFRICA DO SUL

África do Sul : O começo de uma segunda transição política

ÁFRICA

A revolução dos arquitetos africanos

EGITO

CAIRO, A CIDADE QUE MAIS CRESCE NO MUNDO

Rádio

Publicidade

Política

Brasil iniciou formação de tropa especial em São Tomé e Príncipe

| Editoria Política | 23/07/2014

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Militares das forças armadas, Guarda Costeira e Guarda Presidencial começaram hoje uma formação de fuzileiros navais para a criação de uma tropa especial de componente naval em São Tomé e Príncipe, no âmbito da cooperação militar com o Brasil.

O governo são-tomense considera de "um marco histórico nas forças armadas" a realização desta formação
(DR)

Durante quatro meses, os 30 militares são-tomenses terão um curso intensivo, com apoio técnico e logístico da cooperação militar com o Brasil.

O encarregado de negócios da embaixada do Brasil em São Tomé, Maurício do Carmo considerou a formação como "um dos desígnios maiores" da cooperação militar entre os dois países.

"A embaixada do Brasil entende como passo precioso a presente cooperação (militar) que começou com a transferência de bem patrimoniais e de consumo para a Guarda Costeira de são Tomé e Príncipe", recordou o diplomata, aludindo à recente oferta de uma fragata brasileira àquela componente militar são-tomense.

"É uma satisfação contribuir para o fortalecimento da Guarda Costeira de um país amigo, que comunga os mesmos ideais pacíficos bem impressos na Zona de Paz e Cooperação do Atlântico Sul (ZOPACAS), da qual fazem parte o Brasil e são Tomé e Príncipe", sublinhou.

O governo são-tomense considera de "um marco histórico nas forças armadas" a realização desta formação.

"O Brasil tem sido um grande parceiro de São Tomé e Príncipe no quadro das reformas das forças armadas", defendeu o chefe de Estado-Maior das Forças Armadas de São Tomé e Príncipe, brigadeiro Justino Lima, sublinhando que o curso visa "responder a um desafio nacional e internacional".

"Ajuda-nos a confrontar o problema da pirataria marítima e também capacita os nossos militares que poderão ser chamados um dia para responder a uma solicitação no quadro do apoio internacional", explicou o comandante militar são-tomense.

Redação com Agência

 

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade