Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Estudos

Cabo Verde - Índice de Preços no Consumidor - Maio 2014

| Editoria Estudos | 08/07/2014

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Cabo Verde – Índice de Preços no Consumidor – Maio 2014


(DR)

Taxa de Inflação Homóloga aumentou 0,1 pontos percentuais em Maio

No mês de Maio de 2014 a taxa de variação homóloga registada pelo IPC foi de ‐0,2%, aumentando 0,1 pontos percentuais (p.p.) face ao valor registado no mês anterior.

A variação mensal observada entre Abril e Maio de 2014 foi de 0,1%, valor superior em 0,8 p.p ao registado no mês anterior.

A variação média dos últimos doze meses situou‐se em 0,4%, valor inferior em 0,2 p.p ao registado no mês anterior.

Variação Homóloga: ‐0,2%

As classes, Transportes (‐2,7%), Ensino (‐0,7%), Produtos alimentares e bebidas não alcoólicas (‐0,7%) Hotéis, restaurantes cafés e similares (‐0,7%), e Rendas de habitação, água, electricidade, gás e outros combustíveis (‐0,6%), contribuíram com os valores negativos mais expressivos. Por outro lado, as contribuições positivas foram registadas nas classes, Bens e serviços diversos (+5,0%), Saúde (+1,5%), Acessórios, equipamento doméstico e manutenção corrente da habitação (+1,3%), Lazer recreação e cultura (+1,2%) e Bebidas alcoólicas e tabaco (+1,0%).

Podemos constatar que as contribuições negativas suplantaram as positivas, resultando na variação homóloga negativa observada para o IPC total Nacional.

Variação Mensal: 0,1%

As classes, Produtos alimentares e bebidas não alcoólicas (+0,5%), Saúde (+0,2%), Hotéis, restaurantes cafés e similares (+0,1%) e Bens e serviços diversos (+0,1%), contribuíram com os valores positivos mais expressivos. Por outro lado, as contribuições negativas foram registadas nas classes, Vestuário e calçado (‐0,9%), Ensino (‐0,9%), Acessórios, equipamento doméstico e manutenção corrente da habitação (‐0,6%), Transportes (‐0,2%), Bebidas alcoólicas e tabaco (‐0,1%) e Rendas de habitação, água, electricidade, gás e outros combustíveis (‐0,1%).

As principais subidas de preços registadas pelo IPC observaram‐se nos seguintes subgrupos:

‐ Peixe

‐ Outros artigos e acessórios

‐ Frutos

‐ Aparelhos para gravação de som e imagem

As principais descidas de preços ocorreram nos seguintes subgrupos:

‐ Artigos para vestuário

‐ Equipamento de som e imagem

‐ Materiais para vestuário

‐ Pequenas ferramentas e acessórios diversos sua Reparação

Variação Média de 12 meses: 0,4%

A variação média dos últimos 12 meses do IPC total fixou‐se em 0,4%, valor inferior em 0,2 p.p ao registado no mês anterior.

Índices Regionais

A nível regional, registou‐se variação mensal positiva, em S. Vicente (0,6%), nula, em Santo Antão (0,0%) e negativa, em Santiago (‐0,1%).

Em S. Vicente, as contribuições das classes, Produtos alimentares e bebidas não alcoólicas, Vestuário e calçado e Bens serviços diversos, foram determinantes para a variação mensal positiva do índice total desta região. Por outro lado, a classe, Transportes, contribuiu de forma negativa para esse mesmo indicador.

Em Santo Antão, as contribuições positivas das classes, Produtos alimentares e bebidas não alcoólicas e Rendas de habitação, água, electricidade, gás e outros combustíveis, e as contribuições negativas das classes, Transportes, Vestuário e calçado, Acessórios, equipamento doméstico e manutenção corrente da habitação e Hotéis, restaurantes cafés e similares, resultaram na variação mensal nula do índice dessa região.

Em Santiago, as contribuições das classes, Vestuário e calçado, Acessórios, equipamento doméstico e manutenção corrente da habitação, Rendas de habitação, água, electricidade, gás e outros combustíveis, Lazer recriação e cultura, Ensino e Bens serviços diversos, foram determinantes para a variação mensal negativa do índice total desta região. Por outro lado, Produtos alimentares e bebidas não alcoólicas e Hotéis, restaurantes cafés e similares, contribuíram com valores positivos para esse mesmo indicador.

Relativamente à variação homóloga, o índice de S. Vicente registou uma variação superior à média Nacional em 0,4 p.p. Em Santiago o valor foi idêntico (‐0,2%) ao do IPC nacional e em Santo Antão o valor foi inferior ao daquele indicador nacional em 0,6 p.p.

Agregados especiais

Podemos constatar que relativamente ao IPC dos Bens se observou um valor superior na taxa de variação homóloga, que passou de ‐0,4% em Abril de 2014 para ‐0,3% no corrente mês. Quanto ao indicador dos Serviços, o valor registado em Maio (0,3%), foi idêntico ao do mês anterior. Deste modo, o agregado IPC – Bens foi determinante para o comportamento da variação homóloga do IPC total, contribuindo com ‐0,3 p.p. para esta variação. O agregado IPC – Serviços registou uma contribuição de 0,1p.p.

Podemos constatar que o indicador de inflação subjacente (IPC Total excluindo Energia e Produtos alimentares não transformados) apresentou uma taxa de variação homóloga de 0,1 % valor inferior ao registado em Abril de 2014. O diferencial entre a taxa de variação homóloga deste indicador e a do IPC Total é de 0,3p.p.

INE Cabo Verde

Nota de Imprensa

13 de Junho de 2014

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade