Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Economia

Angola: BNA cria Laboratório de Inovação do Sistema de Pagamentos

| Editoria Economia | 03/09/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Banco Nacional de Angola (BNA) anunciou na segunda-feira,02, a criação de um Laboratório de Inovação do Sistema de Pagamentos de Angola que deve integrar jovens com propostas inovadoras para o sistema financeiro do país.

Pedro Castro e Silva, administrador do BNA, revelou aos jornalistas  à margem de uma conferência sobre Inclusão Financeira, que o laboratório foi aprovado no princípio de 2019 pela administração do banco central.

"É a forma que o BNA quer trazer mais 'startups', mais jovens que tenham ideias para o sistema financeiro", disse, adiantando que uma incubadora está em fase final de implementação na Faculdade de Engenharia da Universidade Agostinho Neto (UAN), a maior de Angola.

 O administrador do banco central angolano informou que a instalação e a incubadora onde jovens poderão submeter os seus projectos é fruto de um memorando assinado com o Ministério da Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação.

"Todos os jovens poderão submeter projectos para serem desenvolvidos nessa incubadora e teremos ainda consultores, que com base na sua experiência vão orientar os jovens de como abrir projectos ou empresas sustentáveis", referiu.

"E a partir do momento que as empresas passarem a fase de incubação, e o BNA se sentir confortável para elas começarem a prestar serviços à sociedade poderão fazê-lo através de um projecto piloto controlado", acrescentou.

No que diz respeito a inclusão financeira, reconheceu que os actuais níveis de acesso aos serviços bancários "continuam baixos", defendendo participação activa dos cidadãos no processo por ser um dos instrumentos para "promover também o bem-estar das populações".

A conferência sobre Inclusão Financeira decorreu, em Luanda, sob os auspícios do Banco Nacional de Angola.

 

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade