Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Ambiente

Suíça: Cites vota a favor da proteccão de girafas

| Editoria Ambiente | 23/08/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Cerca de cem países votaram na quinta-feira,22, em Genebra a favor da proteccão e regulamentação do comércio internacional de girafas, na Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Fauna e da Flora Selvagens Ameaçadas de Extinção (Cites, sigla em inglês).

Os delegados da Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Fauna e da Flora Selvagens Ameaçadas de Extinção (CITES) reconheceram pela primeira vez que o comércio de pele, chifres, cascos e ossos de girafas, em particular, constitui uma ameaça à sobrevivência da espécie.

Esta decisão provisória foi adoptada em comissão com 106 votos a favor, 21 contra e 7 abstenções e deverá  ser confirmada em plenária até 28 de Agosto, data do encerramento da CITES.

A população de girafas em África diminuiu cerca de 40% nas últimas três décadas e actualmente, o continente tem menos de 100.000 animais de acordo com os últimos números fornecidos pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).

A votação de quinta-feira em que se decidiu mapear e regular o comércio internacional de girafas e a incluir no Apêndice II da CITES, provocou um debate acalorado entre alguns países.

A proposta veio do grupo de países da África Ocidental, Central e Oriental, onde a população de girafas foi particularmente dizimada.

Os delegados africanos tiveram que enfrentar a forte resistência dos países da África Austral, onde este grande mamífero está melhor protegido e evolui num ambiente melhor.

A África do Sul, o Botswana e a Tanzânia, em particular, argumentaram que há poucas evidências de que o comércio internacional esteja causando o declínio das girafas. E defendem ser injusto impor regulamentação internacional a países que tentam proteger suas girafas.

"Tal decisão equivale a não reconhecer nossos esforços de conservação", disse o representante da Tanzânia.

A Secretaria da Cites também acredita que o desaparecimento das girafas se deve mais à perda de seu habitat, devido às actividades humanas do que ao comércio.

Com esta votação o comércio legal de girafas, incluindo os troféus relatados por caçadores estará agora sujeito a controles globais.

As organizações ambientais presentes em Genebra felicitaram o Cites pela iniciativa.

" Incluir as girafas na lista do Apêndice II é vital para a protecção dessa espécie majestosa que está desaparecendo lentamente há anos", disse Adam Peyman, da ONG Canadian Humane Society International.

 

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade