Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Política

Tunísia: Primeiro-ministro renuncia à nacionalidade francesa

| Editoria Política | 21/08/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O primeiro-ministro da Tunísia, Youssef Chahed, um dos principais candidatos às eleições presidenciais marcada para 15 de Setembro, anunciou na terça-feira,20, que renunciou à nacionalidade francesa antes de apresentar a sua candidatura, conforme estipulado pela Constituição.

"Como centenas de tunisianos que residiram e trabalharam no exterior, eu tinha uma segunda nacionalidade", escreveu Chahed na sua página oficial no Facebook, afirmando que havia feito um pedido para desistir antes da apresentação de sua candidatura para a eleição presidencial.

 Youssef Chahed aconselhou os outros candidatos com dupla nacionalidade a efectuar o mesmo procedimento.

O Artigo 74 da Constituição tunisina estabelece que se o candidato presidencial "possuir uma nacionalidade diferente da nacionalidade tunisina, ele deve apresentar no processo de nomeação uma obrigação estipulando o abandono da outra nacionalidade ao anúncio da sua eleição como Presidente da República ".

Youssef Chahed, de 40 anos, é o mais jovem primeiro-ministro da Tunísia nomeado pelo falecido presidente Beji Caid Essebsi para suceder Habib Essid em 2016.

A primeira volta das eleições presidenciais acontecerá no dia 15 de Setembro. Inicialmente, estavam previstas para o final do ano, mas a eleição foi acelerada após a morte de Essebsi que em 2014 foi o primeiro presidente democraticamente eleito em sufrágio universal na história moderna da Tunísia.

Vinte e seis candidaturas, incluindo a de Chahed, foram validadas e setenta e uma rejeitadas, após uma análise preliminar dos arquivos a 14 de Agosto pela Autoridade Independente Superior para as eleições (Isie).

A lista final será publicada no dia 31 de Agosto.

 

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade