Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Política

Zimbábue: Ex-vice-presidente acusado de corrupção

| Editoria Política | 20/08/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O ex-vice-presidente do Zimbábue sob o reinado de Robert Mugabe, Phelekezela Mphoko, se recusou a responder a perguntas da polícia por suspeita de abuso de poder, informou na segunda-feira,19, a Comissão Nacional de Anti-Corrupção (ZACC).

Phelekezela Mphoko, 79 anos, é acusado de ordenar a libertação de dois funcionários de empresas estatais que estavam presos. O antigo-vice-presidente do Zimbábue deverá aparecer na sede da polícia em Bulawayo, a segunda maior cidade do país para responder às acusações.

O porta-voz do ZACC, John Makamure, disse que quando os investigadores se aproximaram do veículo do ex-vice-presidente "ele fugiu a toda velocidade".

"Ele agora é considerado um fugitivo", acrescentou.

De acordo com o seu advogado, Phelekezela Mphoko concordou em assinar uma declaração à polícia, mas fugiu ao ouvir que a polícia queria detê-lo.

Mphoko serviu como vice-presidente ao lado do actual chefe de Estado, Emmerson Mnangagwa, quando o presidente Robert Mugabe foi forçado a renunciar ao poder pelas forças armadas em Novembro de 2017.

 Na semana passada, a polícia já havia tentado prendê-lo, mas foi impedida pelos seus familiares.

A acusação de Mphoko acontece duas semanas depois da ministra do Turismo, Prisca Mupfumira, ter sido demitida por "conduta imprópria para um ministro do governo" e pelo desaparecimento de 94 milhões de dólares do fundo de pensão do país.

 Sob prisão preventiva, Mupfumira é o primeiro membro do governo de Mnangagwa a ser presa. 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade