Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Economia

Angola vai receber mais 248 milhões de dólares do FMI

| Editoria Economia | 14/06/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Angola vai receber mais 248 milhões de dólares do Fundo Monetário Internacional (FMI) de um total de 3,7 mil milhões previstos, tendo a primeira tranche, no valor de mil milhões de dólares, ter sido concedida e confirmada em Luanda a 20 de dezembro do ano passado pela directora-geral da organização internacional, Christine Lagarde.

De acordo com um comunicado divulgado pelo ministério das Finanças, o novo financiamento foi aprovado na sequência da conclusão da primeira avaliação do programa de apoio concedido ao mesmo. O documento acrescenta que este financiamento de 28 milhões de dólares fará com que a quantia total concedida a Angola ao abrigo do Programa de Financiamento Ampliado ascenda aos 1.24 mil milhões de dólares.

O referido programa foi aprovado a 7 de dezembro de 2018 e prevê uma duração de três anos, permitindo o acesso a um financiamento global de 3.7 mil milhões de dólares e a assistência técnica para apoiar o Programa de Estabilização Macroeconómica e o Plano de Desenvolvimento Nacional 2018-2022.

Para o FMI, esta primeira avaliação é positiva, apesar de Angola apresentar ainda vários desafios, tendo salientando o facto de estar a viver um período de maior incerteza do preço de petróleo, condições financeiras externas mais restritas e um crescimento económico global lento.

A organização internacional encorajou as autoridades angolanas a continuarem com as reformas, apostando na diversificação económica e na estabilização do sistema financeiro. Apoiou igualmente os esforços de consolidação orçamental, ou seja, a melhoria da qualidade da despesa, a redução dos subsídios a preço e de bens fixados e a aplicação de medidas de diversificação da base das receitas não petrolíferas.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade