Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Política

Sudão: Manifestantes e militares concordam com período de transição de três anos

| Editoria Política | 15/05/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O exército sudanês anunciou nesta quarta-feira, 15,que chegou a um acordo com os representantes dos manifestantes para um período de transição política de três anos.

"Estamos de acordo em um período de transição de três anos", disse general Yasser Atta, membro do conselho militar que assumiu o poder após a queda do ex-presidente Omar al-Bashir a 11 de Abril.

O representante da Aliança pela Liberdade e Mudança (ALC), Madani Abbas Madani, confirmou o acordo e disse que as partes decidiram formar uma comissão de investigação sobre a violência ocorrida na noite de segunda-feira.

O general Yasser Atta disse que em 24 horas será decidido a composição do Conselho Soberano que fará parte do governo de transição.

A futura Assembleia legislativa será formada por 300 membros com até 67% de representantes dos manifestantes, reunidos no ALC. O restante da Assembleia será ocupado por forças políticas não afiliadas à ALC.

O período de três anos é um meio-termo entre os quatro anos de transição exigidos pelos manifestantes e os dois anos desejados pelos militares.

Segundo Yasser Atta, os primeiros seis meses do período de transição de três anos vão servir para estabelecer acordos de paz com movimentos rebeldes no oeste e no sul do Sudão.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade