Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Sociedade

Moçambique: Sobe para 447 o número de vítimas mortais do ciclone Idai

| Editoria Sociedade | 25/03/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

As autoridades anunciaram hoje, 25 de março, que o número de mortes causadas pelo ciclone Idai em Moçambique subiu para 447. A população afectada pelo desastre natural também aumentou, registando-se actualmente 794.000.

Em relação a domingo, 24, o resumo da informação distribuída pelo Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) acrescenta uma vítima mortal aos dados divulgados e aumenta em 50% o número de pessoas atingidas. No caso do número de mortos, este tem vindo a aumentar a medida que o nível das águas baixa, o que permite que se chegue a mais locais afectados.

De acordo com o ministro da Terra e Ambiente, Celso Correia, os centros de acolhimento continuam a encher, registando já 128.941 entradas (mais 18% do que no domingo), das quais 6.500 são pessoas vulneráveis, como idosos, crianças e grávidas, que recebem assistência particular.

Por sua vez, o ministro das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos, João Machatine, fez saber que reerguer o centro do país requer tempo, uma vez que “a reconstrução das zonas destruídas pelas calamidades naturais irá ser delicada e exigirá frieza”, disse.

Machatine informou ainda que para além do ciclone Idai, a situação da região centro do país agravou-se devido ao transbordo das bacias do Búzi e Púnguè. Deixou também o alerta de que o rio Zambeze poderá transbordar e por isso, as comunidades que se encontram nas zonas ribeirinhas devem precaver-se.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade