Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Política

Antigo presidente ivoiriense Laurent Gbagbo chega à Bélgica

| Editoria Política | 07/02/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O antigo Presidente ivoiriense, Laurent Gbagbo, chegou terça-feira à Bélgica, onde reside a sua segunda esposa, Mady Bamba, depois da sua libertação, pelo Tribunal Penal Internacional (TPI), que o absolveu das acusações de crimes de guerra e crimes contra a humanidade, para as quais ficou detido durante oito anos, em Haia.

A porta-voz dos serviços belgas de Imigração, Dominique Ernauld, confirmou que Laurent Gbagbo recebeu um visto de tipo C, autorizando-o a permanecer legalmente na Bélgica durante 90 dias, podendo o documento ser renovado após decisão da Justiça.

A Bélgica autorizou Laurent Gbagbo a permanecer no país, na sua qualidade de Estado- membro do TPI, ao mesmo título do que a Côte d’Ivoire.

Em princípio, Laurent Gbagbo pode regressar à Côte d’Ivoire, mas no seu país ele está  sob mandado de captura, acusado de ter comandado a pilhagem do Banco Central dos Estados da África Ocidental (BCEAO), em Abidjan, durante a violência pós-eleitoral.

O Presidente Alassane Ouatara não decretou nenhuma graça para os autores e mandantes da pilhagem, como o fez para com os crimes de guerra e crimes contra a humanidade, de que foi acusado o antigo presidente.

Recorde-se que Laurent Gbagbo juntou-se a Mady Bamba, de 47 anos, com base num casamento tradicional, enquanto que com a ex-primeira Dama, Simone Ehivet Gbagbo, fervente católica, o casamento foi celebrado numa Igreja Cristã.

Embora tenha sido apresentada uma queixa no TPI contra esta última, por crimes de guerra e crimes contra a humanidade, o Governo ivoiriense nunca a transferiu para o Tribunal Penal Internacional.

Em princípio, Simone Gbagbo não pode sair da Côte d’Ivoire, para viajar para qualquer lugar, nomeadamente a Bélgica.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade