Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Sociedade

20 mil nigerianas obrigadas a prostituir-se em zona mineira no Mali

| Editoria Sociedade | 30/01/2019

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Vinte mil jovens mulheres nigerianas, que esperavam ir à Ásia, encontram-se hoje no sul do Mali, em minas de ouro artesanais, onde são obrigadas a prostituir-se, revelou a imprensa maliana que precisa que a Agência Nigeriana de Luta contra o Tráfico dos seres humanos deplora este estado de coisas.

"Que de sonhos destruídos! Saídas das suas casas com destino à Malásia, estas mulheres acabaram involuntariamente na prostituição, em sítios de garimpo de ouro no Mali", sublinha a fonte, indicando que, em dezembro passado, uma missão de informação da Organização Internacional das Migrações (OIM) visitou Kangaba, a cerca de uma centena de quilómetros ao sul da capital maliana, Bamako, e encontrou uma centena de prostituas nigerianas em cada um dos 200 sítios de garimpo de ouro.

Graças ao apoio da OIM, 200 dessas jovens conseguiram juntar-se aos seus países, indica a mesma fonte, confirmando que elas foram enganadas, prometendo-lhes trabalho, antes de saberem, já no local, que iriam trabalhar como prostitutas. 

Algumas aceitavam, porque sabiam que eram ameaçadas e que as suas famílias, em casa, eram também ameaçadas de morte, enquanto outras se recusaram e decidiram fugir, deplora Florence Kim, porta-voz da OIM.

A imprensa maliana não precisa se os autores deste tráfico foram identificados.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade