Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Maio de 2019

ÁFRICA

A TERRA É A FONTE DE VIDA E DA MORTE

MUNDO

A POSSSE DA TERRA, A RECOLONIZAÇÃO SILENCIOSA QUE NÃO DIZ O NOME

ÁFRICA

O DILEMA DAS TERRAS EM ÁFRICA NA VIRAGEM DO MILÉNIO

MUNDO

INTERNET - O FIM DA DECISÃO E DA LIVRE ESCOLHA?

SUDÃO

A Revolução Sudanesa: a terceira será de vez?

ESTADOS UNIDOS

DONALD TRUMP, O FIM DOS IDEAIS AMERICANOS

ANGOLA

Angola - Novas Políticas Migratórias?

ÁFRICA

Basílica de YamoussoukroO “presente pessoal” de Boigny a Cristo!

Rádio

Publicidade

Política

Angola : PGR cria gabinete para repatriamento coercivo de capitais

| Editoria Política | 28/12/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

A Procuradoria-Geral da República (PGR) de Angola anunciou na quinta-feira, 27 de Dezembro, a criação de um gabinete específico para o acompanhamento do processo de repatriamento coercivo de capitais e recuperação de activos do Estado, prometendo "afinar" a cooperação judiciária internacional.

O PGR angolano, Hélder Pitta Grós, em entrevista aos jornalistas no final da cerimónia de cumprimentos de fim de ano daquela instituição, disse que ”o repatriamento de capitais está muito ligado à questão da recuperação de activos, no interior ou exterior do país. É aí onde teremos de focar a nossa actividade, pelo que vamos criar um gabinete específico para isso”, afirmou.

Pitta Grós adiantou que existem já contactos avançados no domínio da cooperação judiciária internacional.

A partir de Janeiro ou Fevereiro entrará em funcionamento o gabinete que  vai dar resposta aos desafios actuais no âmbito do repatriamento coercivo de capitais e combate ao branqueamento de capitais.  Pelo que “já teremos trabalho para ser realizado, que já começou a ser preparado há alguns meses", avançou.

O Governo angolano definiu um “período de graça” de seis meses para o repatriamento de capitais, que terminou na quarta-feira, e, segundo as autoridades, o período que se segue é de “repatriamento coercivo”.

Hélder Pitta Grós indicou que o órgão que dirige já trabalha desde que os diplomas legais que versam sobre a matéria foram aprovados, porque a PGR “tinha consciência que não haveria por parte de toda a gente o cumprimento da lei dentro dos prazos”.

“E a partir daí, começamos a fazer diligências para capacitar-nos e podermos agir de imediato, por isso estamos a trabalhar nesse sentido de então passarmos a segunda fase”, adiantou.

Uma das acções a serem desenvolvidas pela PGR angolana em 2019 é o “aprimoramento dos recursos humanos” com “formações específicas” em matéria de combate à corrupção, .

O Procurador angolano deu a conhecer igualmente que a partir de Março do próximo ano “poderão ingressar mais magistrados” naquele órgão judicial.

Para 2019, consta do plano da PGR  a alteração da Lei Orgânica da Procuradoria-Geral da República  para se adequar a realidade actual do país.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade