Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

BREXIT E O JOGO DO “EU SAIO MAS QUERO FICAR”

| Editoria | 20/12/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

 

Por Roberto Sandoval

As recentes declarações da primeira-ministra britânica, Theresa May, sobre a ideia de prolongar o período de transição após o Brexit, foram interpretadas de forma diferente em Bruxelas e Londres. Para os europeus, ficou claro, que embora não rejeite essa hipótese, a líder conservadora não se mostrou abertamente interessada em avançar nesse sentido.

MAS PARA OS BRITÂNICOS A ideia que ficou, foi que ela estaria disposta a manter o país alinhado com a União Europeia, muito para além da data do Brexit, com custos políticos e financeiros acrescidos, o que não agrada aos eurocépticos.

Como confirmou a própria Theresa May no fim do Conselho da Europeu, as últimas conversações para desbloquear o impasse do Brexit emergiu a ideia de alargar o período de transição como uma possível solução para o problema do “back-stop” da Irlanda, a claúsula que a União Europeia inscreveu no acordo de saída para manter a “invisibilidade” da fronteira entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte. Para o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Junker, é “uma boa ideia” porque daria às duas equipas o tempo de manobra para negociar a futura parceria política indispensável entre os dois blocos económicos e assegurar mecanismos políticos.

O presidente do Conselho Europeu afirmou que os 27 países que compõem a União responderam politicamente pela positiva, que estariam dispostos a aceitar a proposta britânica de um alargamento do prazo fixado anteriormente. Theresa May, sob o fogo das críticas dos eurocépticos liderados por Jacob Rees-Mogg, procura furtar-se à questão assumindo uma posição ambígua: “Para já existe apenas uma ideia, uma opção para alargar o prazo por mais alguns meses. Mas eu não estou aqui para propor uma extensão, até porque ficou resolvido que não seria necessário, já que estamos a trabalhar da nossa relação futura para além de Dezembro de 2020”.

{Leia o artigo na integra  na edicção 135 da Revista África21, mês de Dezembro}

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade