Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Ambiente

Caçadores furtivos matam oito palancas negras

| Editoria Ambiente | 12/08/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Oito palancas negras gigantes, espécie que apenas vive em Angola, com menos de 200 exemplares, foram encontradas mortas pelas autoridades na província de Malanje, abatidas nos últimos dias por caçadores furtivos.

Angola está a fazer o levantamento do número de palancas negras gigantes, mas o cenário é tido como negativo
DR

De acordo com informação transmitida hoje pelas autoridades angolanas, os antílopes foram mortos no Parque Nacional de Cangandala e na Reserva Nacional Integral do Luando, no município de Luquembo, também em Malanje.

Segundo a imprensa local, há igualmente registo de fiscais destas reservas que se queixam de ser alvejados por caçadores furtivos.

"As multas são um pouco fracas, estimula os caçadores furtivos. Acho que podemos encarar a possibilidade de fazer-se uma lei que possa preservar este parque de Cangandala e o de Luando, uma coisa direcionada só para estes animais raros que temos aqui", defendeu o governador da província de Malanje, Norberto dos Santos 'Kwata Kanawa', que na quinta-feira se deslocou propositadamente àquelas áreas.

Angola está a fazer o levantamento do número de palancas negras gigantes, mas o cenário é tido como negativo, com pouco menos de duas centenas de exemplares, sendo o único país onde é possível encontrar este antílope.

"O último levantamento exaustivo foi feito em 2013 e apontava entre 90 a 100 exemplares, exclusivamente no sul da província de Malanje, mas só metade acompanhados. Acho que há todas as razões para estarmos muito preocupados, a situação não é nada boa", reconheceu em junho, em entrevista à Lusa, Pedro Vaz Pinto, coordenador do projeto nacional de preservação da palanca negra gigante.

A palanca negra gigante integra a lista vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais como estando em perigo crítico de extinção. Durante o período da guerra civil em Angola, entre 1975 e 2002, por falta de informação, chegou a pensar-se que a espécie estava extinta.

Considerado um dos mais icónicos, maiores e mais belos antílopes do mundo, A palanca negra gigante é assim "um dos animais mais ameaçados de extinção no mundo", recorda o coordenador do programa de preservação.

Das cerca de 170 a 180 que se estima ainda viverem em Angola, apenas à volta de 40 exemplares, distribuídos por duas manadas, são controlados pelas autoridades angolanas, no Parque Nacional de Cangandala, criado em 1970, e com uma área de 630 quilómetros quadrados.

Redação com agência

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade