Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Ambiente

Ministro moçambicano frisa importância da conservação dos oceanos

| Editoria Ambiente | 04/06/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Ministro do Mar, das Águas Interiores e das Pescas moçambicano, Agostinho Mondlane, apontou como desafio dos países, em particular dos litorâneos, a conservação dos oceanos, no sentido de estes continuarem a garantir, e de forma renovada, a provisão de alimentos à humanidade e a contribuir para o desenvolvimento das economias.

«O desafio da humanidade é garantir que o potencial do mar continue a existir de forma renovável e a ajudar os países no processo de desenvolvimento»
(DR)

Mondlane, que falava esta quinta-feira, em Maputo, na cerimónia de lançamento da semana comemorativa do Dia Mundial dos Oceanos, efeméride que se assinala na próxima quarta-feira, disse que as mudanças climáticas resultantes do aquecimento global constituem a maior ameaça aos oceanos. Estas mudanças, segundo disse, têm estado a contribuir para uma degradação visível dos oceanos, que também sofrem com as descobertas e as explorações de recursos energéticos, sobretudo quando a atividade não é feita de forma sustentável.

«O desafio da humanidade é garantir que o potencial do mar continue a existir de forma renovável e a ajudar os países no processo de desenvolvimento», disse Mondlane.

Moçambique explora, anualmente, 290 mil toneladas de vários recursos marinhos, acrescidas a outras 350 mil de camarão, 90% destas para a exportação.

O país tem um potencial no ramo da biotecnologia para a produção de algas marinhas, sendo que as condições altamente favoráveis podem constituir um valor acrescentado para a indústria alimentar e a produção de medicamentos. 

Redação com Agência

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade