Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Política

Antigo elemento da oposição nomeado primeiro-ministro do Congo

| Editoria Política | 26/04/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Clément Mouamba foi nomeado no fim de semana primeiro-ministro do Congo pelo Presidente reeleito do país, Denis Sassou N’guesso, uma semana depois da tomada de posse deste último para um novo mandato de cinco anos, depois da sua vitória nas eleições presidenciais.

Ex-ministro congolês das Finanças, em 1992-1993, sob o regime de Pascal Lissouba, o novo chefe do governo foi excluído em julho da UPADS
(DR)

Banqueiro, formado em França, Clément Mouamba é originário de Lékoumou, no sudoeste do Congo, e foi incumbido de formar a futura equipa governamental. Ex-ministro congolês das Finanças, em 1992-1993, sob o regime do então Presidente, Pascal Lissouba, o novo chefe do governo foi excluído em julho da União Pan-africana para a Democracia Social (UPADS), principal partido da oposição.

O também alto quadro do Banco dos Estados da África Central (BEAC), casado e pai de 14 filhos, vai enfrentar vários desafios.

Durante o seu juramento para o novo mandato de cinco anos, o Presidente congolês prometeu algumas reformas «necessárias à transformação do Congo», nomeadamente a diversificação da economia, a descentralização, soluções para o problema do desemprego de jovens ou a consolidação da solidariedade e da unidade nacional. A seu ver, estas metas só podem ser alcançadas se as diferentes instituições da República, entre as quais o governo, se mostrarem à altura das expectativas dos cidadãos.

Redação com Agência

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade