Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Rádio

Publicidade

Economia

Governo moçambicano cria fundo para Desenvolvimento Sustentável

| Editoria Economia | 28/02/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O governo de Moçambique aprovou esta semana a criação do Fundo Nacional de Desenvolvimento Sustentável (FNDS), entidade que terá como objetivo fomentar e financiar programas e projetos que garantam um «desenvolvimento sustentável, harmonioso e inclusivo».

«É um fundo que é criado (...) com uma autonomia para fazer face aos desafios e às desigualdades que o país atravessa»
(DR)

O decreto da criação do FNDS, aprovado em Maputo, em Conselho de Ministros, também determinou a extinção do Fundo do Ambiente (FUNAB), organismo que vigorava até à data.

Em declarações aos jornalistas no final do conselho, o ministro da Terra, do Ambiente e do Desenvolvimento Rural moçambicano, Celso Coreia, explicou que o FNDS é uma nova instituição, vocacionada para a angariação e o financiamento de projetos de desenvolvimento, com particular destaque para o meio rural.

«É um fundo que é criado com uma natureza diferente, com uma autonomia para fazer face aos desafios e às desigualdades que o país atravessa», disse o ministro.

De acordo com Celso Coreia, o fundo estará operacional dentro dos próximos três meses.

Questionado sobre informações que denunciaram recentemente o abate indiscriminado de animais no Parque Nacional da Gorongosa (centro de Moçambique), supostamente praticado por homens armados da Renamo, Celso Coreia afirmou tratar-se de uma situação lamentável, uma vez que se trata de um «património do povo». «Condenamos essa ação e esperamos ter respostas adequadas o mais cedo possível», afirmou o ministro moçambicano, recordando que em 2014 o Parque da Gorongosa foi um dos destinos mais promovidos do país, sendo necessário evitar uma situação de retrocesso.

Redação com Agência

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade