Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Política

Candidato presidencial do Congo libertado após interrogatório

| Editoria Política | 23/02/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A

As autoridades congolesas libertaram Jean-Marie Michel Mokoko, antigo chefe das Forças Armadas, candidato às eleições presidenciais de março, informou o seu advogado.

Chefe das Forças Armadas do Congo entre 1987 e 1993, Mokoko é atualmente representante especial da União Africana na vizinha RCA
(DR)

«Ele foi interrogado (...) em relação a uma investigação policial», durante seis horas, na segunda-feira, disse o advogado Eric Yvon Ibouanga, acrescentando que não pode facultar detalhes sobre a referida investigação.

O procurador do Ministério Público ordenou a detenção de Mokoko na sexta-feira, alegadamente devido a declarações suas «amplamente disseminadas nas ruas e nas redes sociais».

Encontra-se a circular na Internet, desde 13 de fevereiro, data em que Mokoko realizou a sua primeira atividade de campanha, um vídeo que aparentemente implica o general numa tentativa de golpe. A campanha de Mokoko disse que o vídeo, que remonta ao início dos anos 2000, é falso.

Chefe das Forças Armadas do Congo entre 1987 e 1993, Mokoko é atualmente representante especial da União Africana na vizinha República Centro-Africana. Mokoko foi também durante muito tempo aliado do Presidente da República do Congo, Denis Sassou N’guesso, mas em fevereiro anunciou a sua resignação ao cargo de conselheiro para a paz e a segurança, que ocupava desde 2005.

A 8 de fevereiro, Mokoko anunciou a sua intenção de entrar na corrida às presidenciais de 20 de março e, portanto, de desafiar o seu antigo superior.

Redação com Agência

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade