Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Política

Rebeldes congoleses matam seis pessoas e sequestram 14

| Editoria Política | 15/02/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Rebeldes no nordeste do Congo mataram seis civis e sequestraram outras 14 pessoas, informou um grupo local ativista. Este é o mais recente ataque na região, onde a segurança se está a deteriorar rapidamente, segundo a avaliação da Organização das Nações Unidas (ONU).

O ataque foi da autoria das Forças Aliadas Democráticas, um grupo rebelde originalmente criado no Uganda
(DR)

O Centro de Estudos para a Promoção da Paz, da Democracia e dos Direitos Humanos, baseado na cidade de Goma, no leste do Congo, afirmou que o ataque foi realizado na noite de sexta-feira, numa vila que fica sete quilómetros a leste da cidade de Eringeti.

O comunicado do grupo afirma que o ataque foi da autoria das Forças Aliadas Democráticas, um grupo rebelde originalmente criado no Uganda. As FAD mataram pelo menos 500 pessoas desde a escalada dos ataques na região, em outubro de 2014, de acordo com estimativas da ONU. O grupo é formado sobretudo por extremistas islâmicos que tentam estabelecer a Sharia, a lei islâmica, no Uganda.

O exército do Congo e a ONU lançaram uma operação contra o grupo, mas enviados das Nações Unidas ao país afirmaram ao Conselho de Segurança no mês passado que houve uma «significativa deterioração» na situação de segurança no leste do Congo, particularmente nas áreas de Beni e Lubero na província de Kivu do Norte.

Redação com Agência

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade