Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Abril de 2019

ANGOLA

A MOCHILA PESADA DA DÍVIDA PÚBLICA NO FUTURO DE ANGOLA

ARGÉLIA

Argelia: A revolução, passo a passo

MOÇAMBIQUE

Ciclone Idai devasta centro de Moçambique

ÁFRICA DO SUL

A Nação Arco-Íris está doente!

SUDÃO

ASCENSÃO E QUEDA DO DITADOR OMAR AL-BECHIR

ANGOLA

Os paradoxos da dívida e o papel da China

ÁFRICA

A soberania monetária e o CFA

MUNDO

Cuidado com os abutres !

Rádio

Publicidade

Política

Religiosos centro-africanos pedem reforço da Missão Internacional de Paz no país

| Editoria Política | 28/05/2014

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Religiosos centro-africanos pediram em Brazzaville ao Presidente congolês, Denis Sassou Nguesso, o reforço da Missão Internacional de Apoio à República Centro-Africana (MISCA), cujo comando é garantido pelo Congo.

Três líderes religiosos reuniram-se com Nguesso
Monsenhor Dieudonné Nzapalainga (DR)

"A nossa primeira preocupação é a segurança. Estamos a estudar a questão para ver o que podemos fazer para que estas forças aumentem e ao mesmo tempo as possamos apoiar", declarou o monsenhor Dieudonné Nzapalainga, no termo de um encontro com Sassou N'Guesso.

Bispo de Bangui, a capital da RCA, Nzapalainga foi acompanhado pelo grande imã da RCA, Oumar Kobine Layama, e pelo reverendo Nicolas Guerekoyme, presidente das Associações das Igrejas Evangélicas para a região da África Central.

"Dar respostas à questão da segurança não é só uma questão de força, mas igualmente uma questão do espírito. E este trabalho, nós, líderes religiosos, fazemo-lo diariamente", referiu Nzapalainga.

A MISCA é uma missão de manutenção da paz na República Centro-Africana, autorizada a 5 de dezembro de 2013 pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas, através da Resolução 2127, a pedido da França, depois da escalada de violência no país desde o golpe de Estado perpetrado pela coligação Seleka a 24 de março de 2013 contra o então Presidente François Bozizé.

Os efetivos são mais de seis mil homens pertencentes aos países membros da Comunidade Económica dos Estados da África Central (CEEAC).

Redação com Agência

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade